terça-feira, 27 de setembro de 2011

Quitando la Carga de la Lamentación



"¿Por qué desobedecí al Señor?"
"Si solo me hubiese mantenido callado."


"Si tal cosa o tal cosa no hubiese ocurrido, mi vida sería mucho mejor."

El lamentarse. Nada nos encadena a nuestros fracasos del pasado como el lamentarse.


Yo conozco demasiados cristianos que iban bien, sin embargo en algún momento cayeron en pecado. Lo peor es que ellos sabían lo que hacer. Ellos no ignoraban las artimañas de Satanás sin embargo cayeron. El resultado de su caída fue que, en el mismo lugar donde su alegría alguna vez brillaba, ahora existe una pesada opresión. Esta opresión se ve como una parte del arrepentimiento, pero no lo es. Es demoniaca, Se trata de una visión forjada en los fuegos del infierno.


No estoy diciendo que no debemos lamentarnos nunca o que el lamentarse no tiene un lugar legítimo en nuestro arrepentimiento. Sí, debemos tener remordimiento y un lamentar piadoso por las cosas que hemos hecho mal, pero hay una diferencia entre la pena piadosa y la opresión demoníaca. Si nos hemos arrepentido de nuestros pecados, y si realmente nos hemos dolido por ellos, hay un momento de entregar la carga al Señor. Es tiempo de soltarlo, así como la Escritura nos ordena entregar nuestra ansiedad al Señor “porque El tiene cuidado de nosotros” (1 Pedro 5:7).


Que nunca olvidemos: Jesús no es solamente el Salvador de aquellos nuevos conversos; El permanece siendo nuestro Salvador, comprometido y fiel a lo largo de nuestras vidas.


A Liberar a los Cautivos
Aun así, no podemos permitir que el lamentarse se torne en un arma demoníacamente manipulada y utilizada contra nosotros. Paralizara nuestro caminar con Dios. Estoy pensando en padres que sienten que han fracasado en la educación de sus hijos o líderes de iglesia o cívicos que han tropezado y caído en pecado. Ellas son grandes personas que han caído –que han estado enterrados espiritualmente bajo el peso de la auto- condenación y la lamentación.


Cristo vino a liberar a los cautivos, incluso a aquellos que se han provocado ellos mismos un lío. Considere al Rey David quien, reflexionando sobre su vida, escribió, “Joven fui, y he envejecido, Y no he visto justo desamparado. . ." (Salmo 37:25). Recuerde, este es el mismo hombre que, en medio de tiempos “de juventud’ y ahora “envejecido”, cometió el más atroz de los pecados de adulterio con Betsabé, y luego, para cubrir su pecado, ordenó matar a Urías, su esposo.


Sin embargo, mirando atrás a su tiempo de arrepentimiento, David se dio cuenta que, a pesar de la disciplina y el juicio que cayeron sobre el, el no “quedó derribado.” A través de todo eso el Señor sostuvo firmemente “su mano” (v. 24). Considere: ¡incluso en el pecado de David, el Señor no lo abandono!


En vez de rechazar a David, el Señor obró para restaurarlo. Sí, hubo consecuencias. El Señor advirtió que debido al pecado de David “no se apartará jamás de [su] casa la espada” (2 Sam. 12:10). Mal se levantaría contra [el] “de [su] misma casa”. (v. 11). Esto se cumplió con el hijo de David, Absalón quien cometió sus propios crímenes contra David.


Mas todavía, incluso cuando David huyó de Jerusalén, incluso en su quebrantamiento y pena y siendo maldecido por sus enemigos (2 Sam. 16:5-15), vemos una notoria calidad en el corazón de David. Afligido y humillado delante de los hombres, David se fortaleció delante del Señor. Abriéndose camino hacia el Señor, escribió una canción llena de confianza en Dios. Con todos los problemas y dolor que se acarreo a sí mismo, he aquí un hombre quien pecó pero que no estaba viviendo preso del lamentarse.


El subtitulo del tercer salmo nos dice que es el “ Salmo de David, cuando huía de delante de Absalón su hijo."


!!Oh Jehová, cuánto se han multiplicado mis adversarios!
Muchos son los que se levantan contra mí.
Muchos son los que dicen de mí:
No hay para él salvación en Dios. Selah
Mas tú, Jehová, eres escudo alrededor de mí;
Mi gloria, y el que levanta mi cabeza.
Con mi voz clamé a Jehová,
Y él me respondió desde su monte santo. Selah
Yo me acosté y dormí,
Y desperté, porque Jehová me sustentaba.
No temeré a diez millares de gente,
Que pusieren sitio contra mí.
Levántate, Jehová; sálvame, Dios mío;
Porque tú heriste a todos mis enemigos en la mejilla;
Los dientes de los perversos quebrantaste.
La salvación es de Jehová;
Sobre tu pueblo sea tu bendición. Selah










Un Nuevo Pacto de Gracia
Cuando venimos a Cristo, venimos a Quien nos ha prometido nunca dejarnos ni desampararnos (Heb. 13:5). Usted y yo, aun como Gentiles, hemos sido escogidos por Dios quien personalmente prometió reedificar y restaurar el tabernáculo de David (Hechos 15:15-17). Para quienes son de Cristo, El promete “Os daré las misericordias fieles de David" (Hechos 13:34).


Estoy diciendo que es tiempo de levantarnos otra vez- con mas sabiduría, mas discernimiento, pero completamente libres de las cadenas que nos han atado. Estoy pensando asimismo en Noemí, la suegra de Rut, en la genealogía de David. Noemí sufrió la pérdida de tanto, sin embargo en sus últimos años, de nuevo encontró la bendición del Señor tal que las mujeres alabaron al Señor como el redentor de Noemí y oraron “Sea él también para ti restaurador de tu vida y sustentador de tu vejez” (Rut 4:15).


Y esta es mi oración por usted también, que el Señor sea a usted el “restaurador de vida” y Quien le “sustenta” incluso en “su vejez.” Aun mientras crece en sabiduría y más humildad, quite el Señor de usted la carga de la lamentación.


____________________________






En mis mas de cuarenta años de ministerio he visto a muchos que comenzaron la carrera bien, tambalear sobre los asuntos de la vida y tornarse espiritualmente aletargados. Aun así entre aquellos que tambalearon, hay verdaderos hijos e hijas, y Jesus promete que “No quebrará la caña cascada, ni apagará el pábilo que humeare” (Isa. 42:3). Dios los está llamando de vuelta. A pesar de sus fallas, El tiene la intención de usarlos: ellos expondrán la gracia de Cristo. Porque a aquellos que se les ha perdonado mucho, mucho aman. Ellos revelaran las maravillas de la gloria de Cristo.






* * * * *



Francis Frangipane




www.frangipanehispano.org

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Sou escolhido

É além do que sinto ou que penso, essa graça que me abençoa e me aperfeiçoa, mesmo quando não mereço suas bençãos e estou mergulhado em um oceano de imperfeições.
É além do que sinto ou que penso, essa misericordia que me alcança e me livra, mesmo quando apenas estou colhendo pelos meus proprios atos pecaminosos.
É além do que sinto ou que penso, esse amor que perdoa e me salva, mesmo quando estou longe de ti por causados meus pecados, e impossibilitado de me salvar com as minhas proprias forças.
Não tenho respostas a tudo isso; mais de uma coisa eu sei, o SENHOR ME ESCOLHEU.

obrigado JESUS.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Uma escolha de Deus.

Esta muito mais além do que sinto ou penso, o tamanho desse amor que me rodeia, mesmo quando não sou merecedor desse amor. Dessa graça que me alcança e me capacita a vencer tudo, mesmo em minhas fraquezas e debilidades. Dessa misericórdia que é capaz de perdoar o mais rude, vil e cruel pecador que fui.
É quando penso em tudo isso, é que chego a seguinte conclusão: É que embora não tenho respostas para assuntos como esses; eu sei que sem Deus eu não sou nada, e com Ele eu posso tudo.
Deus me escolheu.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Quantas versões da bíblia você tem?


Amados irmãos,
Difícil dizer o quanto esse vídeo me tocou. Ao assistir esse vídeo hoje pela manhã fui muito edificado e impactado pelo testemunho da igreja em Kymial. Valorizamos nós as tantas versões, paráfrases e interpretações, sem contar as traduções parciais, que temos na língua portuguesa? Percebemos o quão valoroso é o acesso que temos à Palavra escrita? Podemos à qualquer ora por qualquer preço (desde R$1,00, se não menos) comprar quantas bíblias quisermos e recebermos em casa ou buscarmos na loja, nada nos impede.


A intenção deste post não é incentivar vocês a comprarem mais e mais bíblias, não é movimentar comercialmente, a ideia é que tenhamos compromisso com A Palavra de Deus e com o Deus da Palavra, como diz o amado pastor Ciro Zibordi.
Amados, possamos nós aprender com esses irmãos a valorizar o preço que muitos mártires pagaram para que a Palavra escrita fosse guardada durante esses 20 séculos da História da Igreja, ou melhor, desde antes de Cristo pelos escribas e doutores da Lei.
O conteúdo da Bíblia é tanto extensivo como inclusivo; os dois aspectos principais desse conteúdo são verdade e vida. A verdade nos traz a revelação e o conhecimento de todas as realidades no universo, tais como a realidade de Deus, a realidade do homem, a realidade do universo, a realidade das coisas da era atual, da era vindoura e da era eterna e, em particular, a realidade do Cristo designado por Deus e da igreja escolhida por Ele. Vida é Deus vindo a nós a fim de ser nossa vida para que obtenhamos a regeneração, o crescimento, a transformação e a conformação à imagem de Cristo, que expressa Deus, para que nos tornemos a expressão de Deus.

Vivemos uma realidade onde pouco valorizamos a bíblia por sempre te-la conosco mas esse povo ao saber que receberiam bíblias traduzidas para sua língua fizeram uma grande festa. Existem lugares onde traduzir bíblias para a lingua de origem do povo é uma missão quase impossível mas Deus tem agido e operado maravilhas, veja esse vídeo e compartilhe com seus amigos e contatos. Essa missão é quase impossível, mas juntos nós podemos.
Convém lembrar que, se você recebe as postagens por email, deve acessar o blog para poder assistir o vídeo, clique aqui

Tradução feita pela missionaria Rosa Kidd que levou 15 anos aprendendo a língua. A tradução foi concluída em março de 2010. Kimyal se encontra em Korupun, no oeste de Papua, a tribo tem mais ou menos 4 mil habitantes onde 98%(3.920 pessoas) falam apenas a língua nativa de Kimyal.

domingo, 14 de agosto de 2011

Um bom motivo para nos auto analisar

Olá meus amados, essa semana estarei iniciando uma série de estudos para os irmãos aqui da Bolívia, quero compartilhar com vocês os nossos estudos que eu creio que vai nos trazer bençãos inumeráveis as nossas vidas.



Tema del mensaje: Decimos yo creo; ¿verdad o mentira?

San juan

14:12 De cierto, de cierto os digo: El que en mí cree, las obras que yo hago, él las hará también; y aun mayores hará, porque yo voy al Padre.
Introducción:
No son pocas las personas que dicen creer en Jesús, hasta dicen que son suyos discípulos, se eso es verdad ¿ entonces porque parte de la palabra de Dios no se cumple en la vida de ellos? ¿ Sera posible vivir la palabra de Dios por la mitad, y ser llamado de discípulo?
Parte 1:
Jesús le hace una invitación.
14:11 Creedme que yo soy en el Padre, y el Padre en mí; de otra manera, creedme por las mismas obras.


Note que la palabra creedme aparece dos veces.
I. La primera vez Él dijo: Creedme que yo soy en el Padre, o sea por la fe.
II. En la segunda vez Él dijo: de otra manera, creedme por las mismas obras, o sea si no consigue por la fe, entonces crea por las obras que yo hago.
Observe que no importa como usted va a creer, pero el importante es que usted crea.
Parte 2:
Una promesa a lo que cree.
14:12 De cierto, de cierto os digo: El que en mí cree, las obras que yo hago, él las hará también; y aun mayores hará, porque yo voy al Padre.
Note que hay dos certezas.
I. La primera por la fe, De cierto, de cierto os digo: El que en mí cree, las obras que yo hago, él las hará también; y aun mayores hará, o sea te doy mi palabra.
II. En la segunda la garantía, porque yo voy al Padre, y la garantía soy yo y el Padre.
Se realmente creemos entonces podemos tener la certeza de que hay un Dios trabajando por nosotros.
Parte 3.
Un propósito y una condición.
14:13 Y todo lo que pidiereis al Padre en mi nombre, lo haré, para que el Padre sea glorificado en el Hijo.


14:14 Si algo pidiereis en mi nombre, yo lo haré.


14:15 Si me amáis, guardad mis mandamientos.
Note el propósito.
I. Y todo lo que pidiereis al Padre en mi nombre, lo haré, o sea yo hago, mas por un propósito, para que el Padre sea glorificado en el Hijo, eso quiere decir que; el único motivo por lo cual Jesús pretende nos usar, es para que Dios sea glorificado.
Mira la condición.
II. Si me amáis, guardad mis mandamientos.
Jesús quiere nos usar, pero tenemos que amarlo y la prueba de ese amor es la obediencia en sus mandamientos.
Conclusión.
¿ Pero lo que hizo Jesús?
Respuestas a esa pregunta tenemos en las próximas clases.


fin.


Espero que tenham gostado da primeira parte, até a próxima em nome de Jesus.

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Família Mariano - Buscando corresponder ao coração de Deus



Só para que voces nos conheçam, esses três bonitões somos Hugo, Miriam e Isaque, nos estamos aqui em Bolivia atuando como missionarios na cidade de Puerto Suarez, ja nos preparando para ir para Oruro. Eu, Hugo tenho 26 anos, Miriam tem 23 anos e esta gravida de 6 meses, meu proximo herdeiro tambem será um meninão e Isaque ja tem quase 4 anos e tem sido uma benção em nossas vidas.

Orem por nós, o nosso objetivo aqui é um só, alcançar os bolivianos para Cristo.

Se Deus é por nos quem sera contra nós?

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

A diferença entre Salvação & Galardão, Certeza & Gozo da salvação

George Cutting apresentou esta questão de forma bíblica e clara em seu livreto intituladoSegurança, Certeza e Gozo da Salvação. Ele disse que “a obra de Cristo e a salvação do crente ficam de pé ou caem juntas.” Isso é, ensinar que a salvação pode ser perdida é insinuar que a obra de Cristo pode ser também abalada. Ele continua dizendo: “O comportamento do crente e o seu gozo ficam de pé ou caem juntos.” Observe como Sr. Cutting faz distinção entre o gozo da salvação e a certeza da salvação. O gozo que está relacionado com o comportamento do crente. “Se fosse possível a obra de Cristo cair (e, graças a Deus, isso nunca, nunca poderá acontecer) a salvação cairia juntamente com ela. Porém, quando tropeça (e importa vigiar porque isso é possível), a sua alegria falta-lhe também.”

Prezado leitor, você vê onde o está erro de muitos filhos de Deus? Eles confundem o gozo com a certeza da salvação. Preste atenção nesta importante definição do Sr. Cutting: “A nossa segurança depende da obra que Cristo fez por nós. A nossa certeza depende da Palavra que Deus fala. O nosso gozo depende de não entristecermos o Espírito que habita em nós.” Se um filho desobedeceu seu pai praticando algo que não é do seu agrado, o que acontece? Ele deixa de ser filho? Não! O parentesco entre eles deixou de existir? De modo nenhum! A comunhão entre ele é que foi rompida. Por isso “o parentesco depende do nascimento e a comunhão do comportamento.


O Inferno é a Ameaça?
Devemos observar que a Bíblia nunca coloca o temor do inferno diante do crente como incentivo para que ele prossiga na fé e tenha um viver santo. A Palavra de Deus declara que o crente que peca é castigado se ele não confessar e abandonar o pecado. A filiação com Deus depende do novo nascimento; a comunhão depende da conduta. Por isso, pode haver união sem comunhão. Cremos que este é o sentido das palavras do Senhor Jesus emJoão 15:2, 6 e do autor da carta aos Hebreus no capítulo 6:7, 8.

Por outro lado, a vida eterna nunca é colocada diante do santo ou do pecador como recompensa. O CRENTE NÃO SERVE A DEUS PARA ESCAPAR DO INFERNO E NEM PARA GANHAR O CÉU. A vida eterna depende do nascimento de cima, porém, o galardão depende da conduta.


O Galardão de Cristo
A distinção entre dádiva e recompensa (galardão) nas Escrituras é bem clara. A graça é imerecida; é dom gratuito de Deus, recebida pela fé, sem dinheiro e sem preço. Na Graça o melhor serviço é sem valor, a obrigação não é reconhecida e o valor não é considerado. Porém, o Galardão é merecido; é o salário pelo serviço prestado, recebido pelas obras através do labor e sacrifício. No Galardão o menor serviço é lembrado, a obrigação é reconhecida e o valor é considerado.

O Galardão depende totalmente do crente; a Graça depende totalmente de Cristo. O Galardão olha para a fidelidade do crente; a Graça olha para a fidelidade de Deus. O galardão reconhece o mais simples serviço; a Graça ignora o melhor serviço.

A linguagem do Galardão é: “Vosso trabalho de amor.” A linguagem da Graça é: “não vem de vós.” A mensagem do Galardão é: “Servi ao Senhor.” A mensagem da Graça é: “Para aquele que não trabalha.” A voz do Galardão é: “Fostes fiel no pouco.” A voz da Graça é: “Nisto está o amor.”


Que Recompensa Teremos?

Um dia os discípulos de Jesus Lhe disseram: “Eis que nós deixamos tudo e te seguimos; que recompensa, pois, teremos nós? Ao que lhes disse Jesus: Em verdade vos digo a vós que me seguistes, que na regeneração, quando o Filho do homem se assentar no trono da sua glória; sentar-vos-eis também vós sobre doze tronos, para julgar as doze tribos de Israel” (Mt 19:27, 28). Os “tronos” são dados como recompensa e não como dádiva. “E todo o que tiver deixado, casa, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou filhos, ou terras, por amor do meu nome, receberá cem vezes tanto, e herdará a vida eterna” (Mt 19:29).

Não devemos nos esquecer que o Galardão é oferecido aos justos; a Graça é oferecida aos perdidos. O Galardão opera entre os salvos, pois Deus não reconhece qualquer valor espiritual nos não regenerados. “Não há ninguém que faça o bem; nem um só.” O Galardão começa a operar aqui e agora: “Ninguém há que tenha deixado casa... que não receba cem vezes tanto, já neste tempo, em casa...” (Mc 10: 29, 30). Todavia, o Galardão não será provado em sua plenitude senão na volta do Senhor Jesus: “Eis que cedo venho e está comigo a minha recompensa para retribuir a cada um segundo a sua obra” (Ap 22:12).


Assim, que as Promessas do Galardão Possam!

A) Inspirá-lo a Realizar Maiores Tarefas para Deus:
“Amai os vossos inimigos... fazei o bem... e grande será a vossa recompensa” (Lc 6:27, 35); “E aquele que der até mesmo um copo de água fresca... de modo algum perderá a sua recompensa”(Mt 10:42); “Conheço as tuas obras... amor... fé... darei a cada um segundo as suas obras” (Ap 2:19, 23)

B) Inspirá-lo a Sofrer Mais pelo Mestre Amado :
“Bem-aventurados sereis quando... vos odiarem... expulsarem... grande é o vosso galardão” (Lc 6:22:23); “Conheço a tua tribulação... tua pobreza... dar-te-ei a coroa da vida” (Ap 2:9,10);“Combati o bom combate... acabei a carreira... guardei a fé... desde agora a coroa da justiça me está guardada...” (Tm 4:7, 8).

C) Inspirá-lo a Servir Mais ao Senhor da Seara;“Porque o Filho do homem há de vir... e então retribuirá...” (Mt 16:27); “Bem-aventurado aquele servo... quando ele vier... o porá sobre todos os seus bens”(Mt 24:46, 47); “Então veio o tempo... de dares recompensa aos teus servos, os profetas, e aos santos... e reviveram e reinaram com Cristo durante mil anos” (Ap 11:18; 20:4).


Deus é Galardoador As Escrituras ensinam que a vida eterna é alcançada pela graça por meio da fé. Porém, o galardão vem como conseqüência das obras realizadas depois da fé. Todos os que crêem estão participando de uma corrida e são comparados a um atleta que luta, um guerreiroque batalha, um lavrador que semeia um pedreiro que edifica (I Co 9:24-27; II Tm 2:3-6; I Co 3:9-11). Todas estas comparações indicam esforço e descansam sobre a revelação fundamental de que “Deus é galardoador dos que o buscam” (Hb 11:6). “Muitos discípulos ainda têm os olhos cegados para este mistério do galardão, o qual é um mistério aberto na Palavra. Nós entramos (na vida eterna) por meio da justiça imputada, porém, depois de termos entrado por fé as nossas obras é que determinam nosso posto, nosso lugar e nossa recompensa” (A. T. Pierson).

Esta é, sem dúvida, uma verdade para a Igreja de Jesus Cristo. “Eis que cenho venho e está comigo a minha recompensa, para retribuir a cada um segundo a sua obra”(ap. 22:12). A quem o Senhor disse estas palavras? “Eu, Jesus, enviei o meu anjo para vos testificar estas coisas a favor das igrejas” (22:16).


O que Deus Recompensará? Devemos lembrar que a recompensa é como espada de dois gumes: “Vós, servos, obedecei... sabendo que do Senhor recebereis a recompensa da herança; servi a Cristo, o Senhor” porque“quem faz injustiça receberá a paga da injustiça que fez; e não há acepção de pessoas (não há acepção de pessoas para receber segundo as obras) (Cl 3:22-25). Vejamos algumas das coisas que o Senhor há de retribuir naquele dia:

a) Piedade e Conduta Semelhantes de Deus: “Amais os vossos inimigos, fazei o bem, emprestai, nunca desanimado; e grande será a vossa recompensa e serei filhos do Altíssimo; porque ele é benigno até para com os ingratos e maus” (Lc 6:35). Aqui a recompensa gira em torno da conduta e caráter à semelhança do nosso Pai celestial. Devemos amar a todos indistintamente assim como faz nosso Pai. Agindo assim é que seremos “filhos” (Ruiós = filhos maduros, grego) do Altíssimo. (Não queri dizer que precisamos das obras para ser filhos, e sim que precisamos delas para sermos FILHOS MADUROS, cf Gl 4.1. O Senhor quer nos preparar para FORMAR A IMAGEM DE SEU FILHO, DE CRISTO, EM NÓS)

b) Devoção Secreta: “Mas tu, quando orares, entra no teu quarto e, fechando a porta, ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará”(Mt 6:6). Tal oração será respondida e recompensada.

c) Nossa Atitude de Coração: Não julgueis e não sereis julgados... perdoai e sereis perdoados”(Lc 6:37). Um servo do Senhor disse que “nossa vida está colocando, palavra por palavra, à sentença sobre nós nos lábios de Cristo. A bondade e a glória são apenas parte de um todo: a bondade é o lado do sofrimento da glória e a glória é o lado resplandecente da bondade” (D. M. P.).

d) Nosso Serviço: “E aquele que der até mesmo um copo de água fresca a um destes pequeninos, na qualidade de discípulo, em verdade em verdade vos digo que de modo algum perderá a sua recompensa”(Mt 10:42). Todo serviço que prestarmos ao Senhor será recompensado. As medidas da recompensa serão devidamente pesadas pelo Senhor: “Quem recebe um profeta na qualidade de profeta, receberá a recompensa de profeta; e quem recebe um justo na qualidade de justo, receberá a recompensa de justo” (Mt 10:41)

Estas declarações manifestam de forma clara a tremenda e bendita verdade conhecida como a “lei da semeadura”: “Tudo o que o homem semear, isso também ceifará. Porque quem semeia na sua carne, na carne ceifará corrupção; mas quem semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna” (Gl 6:7, 8). Lamentavelmente, quando lemos estas palavras nossas mentes se voltam para o problema do pecado. Entretanto, o sentido aqui é mais amplo, pois Paulo continua dizendo... “façamos o bem a todos, principalmente aos domésticos da fé” (v. 10), e no versículo 6 ele disse: “E o que está sendo instruído na palavra reparta de todos os seus bens com aquele que o instrui.” Está claro que o contexto aqui é semear o bem através das boas obras. A expressão “levai as cargas uns dos outros” (v.2) está intimamente ligada com a questão das nossas posses.


O Melhor Comentário do Salmo 37:3A. B. Simpson contou que John Wesley enviou certa vez uma carta a um ministro pobre. Ela continha as palavras confia no Senhor e faze o bem... e te alimentarás em segurança” (Sl. 37:3). Dentro da carta ele colocou também uma oferta em dinheiro mas nada falou sobre ela. Após receber a carta com a oferta, o tal ministro lhe respondeu: “Caro Sr. Wesley, como poderei agradecer o bastante por sua carta e dádiva? Tenho lido várias vezes este versículo e muitos comentários sobre ele, porém o seu foi o melhor comentário que já vi.” Não devemos esquecer, irmãos, do lado pratico da Palavra do Senhor (Tg 2:15, 16)

e) Nossos Motivos: “Guardai-vos de fazer as vossas obras diante dos homens, para serdes vistos por eles; de outra sorte não tereis recompensa junto de vosso Pai que está nos céus”(Mt 6:1). O Senhor vai recompensar principalmente o “motivo” que nos levou a fazer algo para Ele. Não apenas as boas obras que contam, mas também o motivo que nos levou a praticá-las. “O Senhor... trará à luz as coisas ocultas das trevas, mas também manifestará os desígnios dos corações; e então cada um receberá de Deus o seu louvor”(I Co 4:5). Deus concede a salvação não merecida, mas nunca o louvor não merecido. “A exaltação na Era Vindoura será na proporção do serviço humilde na Era Presente.” “Qualquer que entre vós quiser tornar-se grande, será esse o que vos sirva; e qualquer que entre vós quiser ser o primeiro, será servo de todos” (Mc 10:43, 44).

f) Nosso Sofrimento: “Bem-aventurados sereis quando os homens vos odiarem, e quando vos expulsarem da sua companhia, e vos injuriarem e rejeitarem o vosso nome como indigno, por causa do Filho do homem. Regozijai-vos nesse dia e exultai, porque eis que é grande o vosso galardão no céu” (Lc 6:22, 23). Esta foi a experiência de Moisés; ele teve “por maiores riquezas o opróbrio de Cristo do que os tesouros do Egito; porque tinha em vista a recompensa(Hb 11:26). Paulo foi provavelmente, aquele que melhor conheceu o valor do Prêmio e estas foram suas palavras: “Porque a nossa leve e momentâneatribulação produz a nós cada vez mais abundantemente um eterno peso de glória (II Co 4:17). Este mesmo princípio da recompensa, operou na vida do Senhor Jesus: “O qual, pelogozo que lhe estava proposto, suportou a cruz(Hb 12:2).

Nenhum discípulo sábio há de negligenciar tão grande volume de textos bíblicos ou lançar fora tão grande incentivo para a santidade. Nossa descoberta desta verdade no Tribunal de Cristo será tarde demais.

Prezado irmão em Cristo, medite nestas palavras com oração diante do Senhor. Cada palavra, pensamento ou ato nosso é como uma semente que lançamos no solo. Um dia a colheita surgirá: será ela linda ou alarmante? Por isso devemos semear no Espírito e não na carne. Devemos considerar seriamente estes quatro pontos: quando semeamos, o que semeamos,quando semeamos e o porque semeamos.

“OLHAI POR VÓS MESMOS, PARA QUE NÃO PERCAIS O FRUTO DO VOSSO TRABALHO, ANTES RECEBAI A PLENA RECOMPENSA” (II Jo 8).

fontes:
Extraído da Revista Palavra Profética, 1987

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Quem conhece ama

“Lembrai-vos dos encarcerados como se preso com eles;
dos que sofrem maus tratos, como se, com efeito,
vós mesmos em pessoa fosseis os maltratados” (Hb 13.3).

Pink Floyd foi um grupo que fez muito sucesso nos anos
80. Seu líder, Roger Waters sempre foi conhecido pelo seu
temperamento forte e por suas “loucuras”. O filme “The Wall”,
produzido por ele é cheio de imagens psicodélicas, angustiantes,
e claramente rodado sob pesadas drogas alucinógenas. Até
agora, era essa a imagem que eu tinha dele. Porém, nesses
dias vim a conhecer um pouco de sua história. Nasceu na
Inglaterra em meio à 2ª Guerra Mundial, filho de um soldado
que não o viu nascer, enquanto servia na Itália junto ao exército
inglês. Para escapar dos bombardeios alemães sobre Londres,
sua mãe enviou o filho para um lugar seguro no interior onde
permaneceu com outras crianças até o final da guerra.

Alguns anos depois, quando fogos e festas anunciavam
o fim dos combates, os pais foram buscar seus filhos naquele
lugar. Aquele garoto viu seus amigos um a um serem levados,
menos ele. Seu pai não veio, e pela primeira vez teve a clara
consciência de que perdera o pai sem nunca tê-lo conhecido.
Sentiu-se abandonado e sozinho, e esse passou a ser um
tema obsessivo em suas canções. Waters tem passado a vida
procurando o pai ausente num mundo frio e inóspito.

Essa leitura que fiz me aproximou dele, mesmo sem
conhecê-lo. Quando nos aproximamos das pessoas, de seus
dramas e de suas histórias, nossa visão muda. Identificamos-
nos com elas. Descobrimos nelas companheiros de viagem.
Descobrimos também que se trata de garotos e garotas
assustados como nós, buscando um sentido no mundo,
convivendo com a nostalgia de um Pai ausente.

Há alguns dias recebi um telefonema do hospital onde
prestamos capelania. Queriam minha presença urgente
para falar com um paciente que estava muito revoltado e
descontrolado. Corri para lá, e quando entrei no quarto percebi
alguém de maquiagem forte e unhas pintadas. Era um travesti.
Apresentei-me, estendi-lhe a mão, perguntei seu nome, e disse
que estava ali para ouvi-lo e ajudá-lo. Após uma hora inteira de
conversa ele havia se acalmado e eu já conhecia um pouco da
vida do Edson (nome fictício), de sua família, seus temores e
sonhos, seu desvio da fé, as portas que lhe foram fechadas... já
não via mais alguém travestido do sexo oposto, porém um ser
humano digno, embora fragilizado, alguém como qualquer outro
buscando encontrar o centro do seu ser.

Quando nos aproximamos do outro em amor, desaparece
o que nos causava espanto, raiva, ódio, perplexidade, para dar
lugar à pessoa. Não é justamente isso que Jesus fez em todo o
seu ministério? Ao jovem rico que só pensava em sua fortuna,
Jesus “fitando-o, o amou” (Mc 10.21). Diante do Mestre já não
era mais uma “samaritana”, nem uma “mulher” junto ao poço,
mas uma pessoa que ele conhecia sua história e, a despeito de
seus erros, a amou.

Vivemos num mundo cercado de muros que nós mesmos
construímos. Jesus Cristo veio para quebrar as paredes
de separação para nos aproximar uns dos outros. Cristãos
deveriam também parar de erigir muros para construir pontes.
O Evangelho nos desafia: se amais os seus pares, seus
familiares, os que lhe são agradáveis, que recompensas tendes?
Aliás, não precisa ser cristão para amar os seus iguais.

Permanecer junto a quem nos é igual e fechar-se num
grupo, num partido – seja religioso, político ou étnico, é o
caminho mais fácil para desenvolver na alma um sentimento
de oposição, de medo, e é o estopim para um mecanismo de

defesa chamado “projeção”, que nada mais é que jogar sobre
o outro todas as mazelas indesejadas ou rejeitadas – mas não
admitidas – que estão presentes em nós.

Palestinos e judeus que vivem separados por um muro,
odeiam-se mutuamente. Árabes e judeus vivendo em Jerusalém
ou qualquer outra cidade do mundo, quando se conhecem,
vivem amistosamente sem animosidades.

A intolerância diante do pecador é uma das posturas mais
inadequadas que um cristão pode ter. Igreja que não ama
ao pecador abandonou sua principal missão. Não se trata de
condescender com o erro ou pecado, mas de colocar-se ao lado
e dizer: “sei como você se sente, porque conheço também meus
pecados e é justamente por causa deles que estou aqui; por
isso estarei ao seu lado se precisar de mim”.

–“Mas pastor, Jesus disse à pecadora para ela ir e não
pecar mais”. É verdade, só que isso é interpretado de duas
formas: para “nós” é um tratamento a longo prazo, onde Deus
vai nos tratando e curando ao longo da vida. Para o “outro” é
exigido que ele obedeça imediatamente, mesmo quando ele não
tem forças para isso.

Aproximar-se
das
pessoas,
ouvir
suas
histórias,
desenvolver empatia por elas, e colocar-se em humildade nas
mesma condições, permite que olhemos o mundo com os seus
olhos. Esta é a postura que Deus espera de nós! “Lembrai-vos
dos encarcerados como se preso com eles; dos que sofrem
maus tratos, como se, com efeito, vós mesmos em pessoa
fosseis os maltratados” (Hb 13.3).

Talvez nosso maior desafio seja o de conhecer o outro.
Enquanto são desconhecidos, eles nos assustam e são alvo de
nosso julgamento. Somos capazes de amar somente quando o
distante se faz próximo.

Olhei ao longe e vi um animal caído na estrada. Cheguei
mais perto e vi que era um ser humano. Abaixei-me e reconheci
o meu irmão.

Daniel Rocha, pastor
dadaro@uol.com.br

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Toda a história da vida esmagada em 4 minutos

Olá amados irmãos, ví esse vídeo postado no site Preciosa Semente e resolvi postar aqui no blog com a transcrição para facilitar a compreensão, já que o irmão fala em uma linguagem peculiar e muito rápido.

(bom lembrar que, se você recebe essas postagens por email precisa acessar o blog (siga o link riquezasdecristo-danielfreire.blogspot.com) para ver o vídeo, provavelmente ele não aparecerá em em seu email, assim como não apareceu o vídeo "Evangelho segundo o Twiter")

VOCÊ TEM 4 MINUTINHOS DE ATENÇÃO?

4 MINUTOS PODEM SER DECISIVOS PARA SUA ETERNIDADE...



A idéia é um acróstico com a palavra Gospel (evangelho em inglês, embora no Brasil a palavra tenha uma conotação diferente e até pejorativa por muitos, estou falando da palavra "gospel" e não "evangelho", em países de fala inglesa significa apenas evangelho, uma referência à Boa Nova de Cristo)

GOSPEL (Evangelho)
GOD (Deus)
OUR (Nossos)
SINS (Pecados)
PAYING (Pagamento)
EVERYONE (Todos)
LIFE (Vida)
God.Our. Sins. Paying. Everyone. Life.
DeusNossosPecadosPagamentoTodosVida.
É toda a história da vida esmagada em quatro minutos.
A totalidade da humanidade na palma de sua mão. Esmagada em uma frase.
Ouça, é intenso, certo?

DeusNossosPecadosPagamentoTodosVida.
A maior história já contada e que quase nunca é contada.

Deus.
Sim, Deus.
O Criador e Doador da vida, em com “vida” quero dizer “toda e qualquer forma de substância”.
Visível e invisível, que pode e não pode ser tocada.
Pensamentos, imagens, emoções; Amor, átomos e oceanos.
DEUS.
Tudo isso obra de Suas mãos, dentre elas Sua obra prima.
Feita de forma tão única que os anjos olharam curiosamente.
A única coisa na criação que foi feita à Sua imagem.
Um conceito tão frio, razão que me deixa atrevido:
Que Deus soprou no homem e ele se tornou uma alma viva.
Formada com a intenção de ser infinitamente, intimamente apaixonado.
Criador e criação mantida num laço eterno.
E foi colocado no paraíso perfeito até algo dar errado.
As espécies foram enganadas e começaram a cobiçar Seu trabalho. Uma lista ímpar de reclamações, como se o sistema não estivesse funcionando.
E usaram esse mesmo fôlego, que Ele graciosamente nos deu, para amaldiçoá-Lo.
E as sementes do pecado se espalharam pelo genoma de nossas almas.
E pela natureza de sua natureza, sua espécie, você participou da revolta.

NOSSOS.
Sim, NOSSOS pecados.
É de natureza hereditária.
Escureceu o coração humano. Acabamos antes de começar.
Enganados desde o primeiro dia e levados por nossa própria concupiscência.
Não há uma religião no mundo que não concorde que há algo de errado conosco.
A questão é:
O que? E como consertamos isso?
Estamos eternamente separados de um Deus que pode ou não ter existido?
Mas esse é outro assunto.
Além disso, tentar provar a Deus é como defender um leão.
Irmão, ele não precisa de sua ajuda.
Apenas destranque a jaula.
Vamos falar sobre como nossa dívida pode ser paga.
Curto e doce:
O problema é...

PECADO.
Sim, PECADO.
É um câncer, uma asma, sugando o vigor da nossa vida, forçando a separação de um Deus Perfeito e Santo.
E a única maneira de voltar é voltar à perfeição. Quão ingênuo...
Tentarmos passar o curso da vida, sem cumprir o roteiro.
Assim somos nós:
Amontoe suas boas obras;
Cante, ore, medite.
Mas tudo isso, é claro, é borrifar perfume em um cadáver.

[nota: o que ele está dizendo aqui é que nossas boas obras não são capazes de dar vida ao nosso espírito, nossos atos de justiça são como trapos de imundícia (Is 64.6)]

Ou optar por ignorá-lo, como se algo não fedesse.
É como pisar em coco de cachorro e recusar-se a limpar seu sapato.

[já aqui ele remete ao fato de que algumas pessoas simplesmente não querem ver que há algo errado, de que estão sob a justiça de Deus, de que estão em pecados, acha que "colocando na prateleira (ignorando) resolverão o problema do pecado, no entanto Jesus se manifestou para tirar os pecados. Esta libertação só não acontece quando: 1- tentamos ignorar o pecado 2 - Tentamos justificar a nós mesmos 3 - Tentamos esconder o pecado 4 - tentamos transferir a culpa.]


Mas tudo isso termina com: “Quanta bondade é bom o suficiente?”
Pegue sua lista boba de boas ações e compare com a perfeição. Boa sorte!
Isso está muito acima do seu nível salarial.
O custo de sua alma?
Você não tem grana suficiente no seu cofrinho.
Mas você poderia tentar!
Mas sugiro que jogue fora a lista.
Porque mesmo os seus bons atos são uma extensão do seu egoísmo.
Mas é aí que fica interessante.
Espero que você esteja ouvindo atentamente.
Por favor, não entenda mal. É isso que faz a nossa fé única.
Aqui está o que Deus chama de a “Parte A” do Evangelho:
Você não pode consertar a si mesmo. Pare de tentar. É impossível.
O pecado traz a morte.
Devolva a Deus Seu fôlego. Você O deve!
Eternamente separados! E a única maneira de corrigi-lo é alguém morrer em seu lugar.
E esse alguém tem que ser perfeito ou o pagamento não será permanente.
Então, se e quanto você encontrar  uma pessoa perfeita, pegue essa pessoa para trocar literalmente a perfeição dela pelo seu pecado e morte.
Claramente, uma vez que o único que pode satisfazer os critérios de Deus é Deus, Deus enviou a si mesmo, Jesus, para pagar o preço por nós.
Sua Justiça, Sua morte, funcionaram como...

PAGAMENTO.
Sim, PAGAMENTO.
Escreveu um cheque com Sua vida.
Mas na Ressurreição, todos aplaudimos, porque isso significa que o CHEQUE FOI COMPENSADO!
Pés atravessados, mãos furadas, o Filho do Homem manchado de sangue.
Plenitude, perdão, a passagem livre para a Terra Prometida.
Do mesmo fôlego que Deus soprou em nós, Deus abriu mão para nos redimir.
E qualquer um, e todos.
E com “todos” quero dizer...




TODOS.
Que colocaram sua fé e confiança nEle, e somente nEle, pode estar em plena confiança do perdão de Deus.
E essa é a promessa:
Que você tem acesso total garantido para voltar à unidade perfeita.
Simplesmente por crer em Cristo, e somente em Cristo, você está recebendo VIDA.
Sim,

VIDA.
Este é o Evangelho:
DEUS. NOSSOS. PECADOS. PAGAMENTO. TODOS.     VIDA.
God.   Our.        Sins.         Paying.         Everyone. Life.

terça-feira, 28 de junho de 2011

A História do Amor de Deus

A História do Amor de Deus
1. A criação do mundo
“No princípio, criou Deus os céus e a terra” (Gênesis 1.1).
Deus criou o mundo e tudo o que existe: o céu, a terra, o mar, as plantas, os animais... Criou também o homem e a mulher, que viviam bem com Ele e eram muito felizes.
2. O pecado
“Deus perguntou: Você comeu do fruto da árvore da qual lhe proibi comer?” (Gênesis 3.11, NVI).
Mas o Diabo, por meio da serpente, tentou Eva. Então ela e Adão desobedeceram a Deus. Desobediência é pecado. Por isso, eles foram expulsos do Paraíso e ficaram longe de Deus.
3. A vinda de Jesus
“Deus enviou seu Filho” (Gálatas 4.4).
Por amar todas as pessoas, Deus enviou Seu Filho Jesus, para elas voltarem a viver bem com Ele. Jesus nasceu em Belém. José e Maria cuidaram do menino até que Ele crescesse.
4. A morte de Jesus
“Cristo morreu pelos nossos pecados” (1 Coríntios 15.3).
A Bíblia ensina que todos têm de ser castigados por sua desobediência a Deus. Esse castigo é a morte eterna no inferno. Jesus sofreu o castigo por nós. Ele deu Sua vida na cruz para pagar pelos pecados de todo o mundo.
5. A ressurreição de Jesus
“Ele não está aqui; ressuscitou” (Mateus 28.6).
Mas, depois de sepultado, Ele ressuscitou! Jesus não continuou morto – Ele voltou a viver. Que grande alegria e esperança! Temos um Senhor vivo que quer nos perdoar e salvar do castigo.
6. E agora?
Convide Jesus a entrar em seu coração. Ele vai limpar sua vida e cuidar de você. Peça para Jesus ser seu Salvador e um dia você estará no céu com Cristo, para sempre!
Jesus quer ser seu maior Amigo. Leia a Bíblia para aprender mais sobre Ele. Fale com Jesus em oração – você pode conversar com Ele sobre tudo que quiser.

(desenhos: © Dirceu Veiga – texto: Ione Haake - http://www.ajesus.com.br)

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Onde Moras?

Entrando na intimidade com Cristo




ONDE MORAS?
Entrando na intimidade com Cristo


[Jo 1:29-42]


     João, o Batista, vê Jesus e começa a dar testemunho dEle dizendo:
     __ Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.
     No entanto, nada especial parece acontecer.
     No dia seguinte, João vê outra vez a Jesus, e volta a dizer:
     __ Eis o Cordeiro de Deus.
     Desta vez, porém, dois de seus discípulos o ouvem e seguem a Jesus.
     Por certo João fica olhando para eles, sem nada dizer ou fazer para detê-los. João sabe que tem que perder para que Jesus ganhe. Ou, como diz o evangelho, tem que diminuir para que cristo cresça (Jo 3:30). Sua missão como precursor é pregar o Cristo, fazer com que todos O vejam e O sigam.
     Entretanto, Jesus se dá conta de que os dois estão seguindo-O. Então se volta para eles e lhes pergunta:
     __ Que buscais?
     É uma pergunta muito interessante. E direta. Sim, porque o seguiam?

QUE BUSCAIS?

     Pelo menos mais duas ocasiões, Jesus Confrontou às pessoas com as verdadeiras motivações que tinham ao seguir-lhe. Em ambas as ocasiões Ele foi direto e severo. Como se não lhe interessasse que o seguissem.
     Na primeira o Senhor explana sobre as altas demandas, ou o alto preço, do discipulado:
     __ Se alguém vem a mim e não aborrece seu pai e mãe e mulher e filhos e irmãos e irmãs e até mesmo sua própria vida, não pode ser meu discípulo... Qualquer de vocês que não renuncia a tudo o que possui, não pode ser meu discípulo. (Lc 14:25,26)
     Isto significa, nada menos, que aborrecer a todos e renunciar a tudo. Esta palavra não era muito popular, nem pretendia agradar as pessoas.
     Na segunda ocasião, o Senhor mostra o quão mesquinho era o coração dos que o seguiam. Logo depois de multiplicar os pães e os peixes, o povo pretendia coroá-lo rei; mas como o importunassem, o buscassem e seguissem, inclusive até além do mar. Ao encontrar-lhe, lhe perguntam:
     __ Rabí. Quando chegaste aqui?
     O Senhor, que conhecia perfeitamente os que o buscava, lhes diz:
     __ Com certeza sei que não me buscam porque viram os sinais (de que Ele era o Messias), mas porque comestes dos pães e encontraram algo com que saciar. (Jo 6:25,26)
     Estas motivações, assim como as perguntas das pessoas e as respostas do Senhor, são muito recorrentes e continuam acontecendo até o dia de hoje.
     Muitos se aproximam do Senhor somente para ser saciados, ou curados, ou protegidos (como se Ele fosse um talismã). Somente para Isso. Mas o Senhor, que não pode ser enganado e que, como diz em João 2:25, conhece tudo o que há no homem, nos confronta com esse assunto diretamente.

ONDE MORAS?

     Os discípulos de João tiveram, porém, uma motivação bem distinta.
     __ Mestre, Onde moras? - perguntaram.
     __ Venham e verão - respondeu-lhes o Senhor.
     O Senhor não repele aqueles "intrusos" (porque realmente era uma pergunta bem indiscreta), mas os convida para a casa onde morava. Ele não os havia chamado, mas tampouco os rejeita. Em João 6.37 Ele diz: "O que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora."
     No entanto, em um de seus discursos, o Senhor também lhes diria:
     __ Não fostes vós que me escolhestes, mas eu vos escolhi a vos. (Jo 15:16)
     Como se cumpriu isso na vida dos discípulos? Ele os escolheu ou foram eles que se ofereceram?
     Não foram eles que se ofereceram. O Senhor chamou-os, o que acontece é que o Senhor os chamou de uma maneira diferente. O Senhor lhes inquietou o coração e os atraiu até a Sí, de modo que O seguiram. Quem poderia segui-Lo se Ele não chamar?
     Eles foram, viram onde Ele morava e ficaram com Ele aquele dia. No ato de segui-lo eles mostraram interesse por Sua pessoa, diferente das multidões, eles não queriam obter algo de Jesus, antes queriam conhecê-lO. o que lhes interessavam e atraíam era o próprio Jesus.
     O que viram esses nEle? Seguramente em Sua casa não havia nada que pudesse chamar especialmente a atenção. Pelo menos nada que aos homens chame a atenção, entretanto eles devem ter visto algo EM Jesus, porque na manhã seguinte um deles, André, encontrou-se com Simão, seu irmão, e lhe disse:
     __ Encontramos o Messias.
     Pedro deve ter ficado muitíssimo surpreendido com essa declaração. Porque dizer isso a um judeu, por mais ignorante que fosse, era dar-lhe a notícia mais espetacular que ele poderia ouvir em toda sua vida. Ficando o ouvinte extremamente feliz ou escandalizado, a notícia era espetacular. Afinal o povo judeu esperou (e alguns esperam ainda) por dezenas de séculos pela chegada do Messias.
     Imaginem o entusiasmo de André. O que teria visto ele naquela noite? Que coisas ouviu dos lábios de Jesus? Que estranho fulgor viu em seu olhar? O que sentiu ele no tom de Suas palavras? O que queimou no profundo de sua alma? Que coisas tão grandes ele viu e ouviu - podemos imaginar - para que saísse falando daquela maneira?
     André nem esperou que seu irmão se refizesse do espanto por tão grave declaração, mas o levou imediatamente até Jesus.
     Com certeza Pedro olhou Jesus "de alto a baixo", ouviu suas palavras atentamente, guardando cada uma delas, com a atitude receosa de muitos do povo, desconfiando de tudo e de todos.
     Mas Pedro também ficou com Ele. Para sempre.

É UMA HONRA SER CONVIDADO

     O Senhor Jesus veio para salvar todos os homens, mas também veio para fazer discípulos. Ele não tem tanto prazer naqueles que o buscam para serem curados (embora igualmente os atenda, porque é misericordioso e compassivo), mas tem maior prazer nos que vêm perguntando-lhe onde mora.
     Era isso que Ele desejava naquele tempo e deseja a mesma coisa ainda hoje. Ele deseja que procuremos onde Ele mora e que fiquemos com Ele para sempre. Portanto, o desejo Senhor é que, quando nós fizermos discípulos, o confrontemos com a mesma pergunta que ele fez àqueles discípulos de João: "O que buscais?".
     As multidões ainda seguem a Jesus, nos dias de hoje, pelos mesmos motivos de antigamente. Talvez tenham mudado as nuances e a roupagem das reais motivações, mas no fundo ainda são as mesmas. E ainda hoje os verdadeiros discípulos de Jesus continuam com a mesma motivação daqueles dois discípulos, à margem das multidões. Esse grupo de discípulos constitui-se de um círculo íntimo que se interessa em conhecer, contemplar e seguir a Jesus de perto.
     Não podemos nos contentar meramente em fazer parte da "cristandade", muitos que se dizem cristãos têm sido tão interesseiros e vaidosos (quantas vezes não fomos nós mesmos esses, ou ainda somos?). Essa "cristandade" professa o Nome de Jesus porque faz parte de um status social, porque ele funciona como um ente aglutinador e como mero sustentáculo de suas tradições. Ela o celebra, está certo, mas celebraria à qualquer outro (nome) que lhe servisse (desse o status, reunisse 'fiéis', sustentasse suas tradições), assim como os hindus celebram o Buda e os mulçumanos a Maomé.
     Por isso precisamos nos apartar dessa maré, para ver onde Ele mora, e ficarmos com Ele.
     Alguns de nós nos achegamos à Ele como estes dois discípulos, ainda que não soubéssemos na verdade quem Ele era; falamos a Ele (às vezes com petulância, outras com temor, mas com sinceridade): Onde você mora? e Ele não nos desprezou. Pelo contrário, nos atraiu, revelando-nos o Seu coração, de modo que foi impossível não amá-lo.
     Talvez Ele te conceda também o privilégio de seguir-lhe. É possível que ele esteja fazendo-se ouvir por você. Se é assim, considere-se um bem-aventurado, e siga-O imediatamente, não pense duas vezes. Que não aconteça que a voz dEle passe de ti e deixes de ouvi-la.
     Seguir a Jesus não depende de que alguém se ofereça, mas que Ele chame. [Jo 15:16] Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai ele vo-lo conceda. E seu chamado é inconfundível. Pode ser uma voz quase audível ou pode ser uma voz sem palavras, uma inquietação, um desejo. Seja como for, se você tem sentido essa voz, saberás que é Ele. Então tem que segui-lo até a casa onde ele mora, porque é uma honra que Ele te concede.
     Jesus é o Senhor e nós não escolhemos a Ele, mas Ele é quem escolhe a quem vem à sua casa.

DISCÍPULOS, NÃO MEROS SEGUIDORES

     Ser "discípulos" é mais do que "alguém que o segue".
     Em certa ocasião, Pedro disse ao Senhor.
     __ Nós deixamos tudo e O seguimos.
     O Senhor lhe respondeu:
     __ Na verdade vos digo que ninguém há que tenha deixado casa, ou pais, ou irmãos, ou mulher, ou filhos, pelo reino de Deus que não haja de receber muito mais neste mundo, e na idade vindoura a vida eterna (Lucas 18:29-30)
     Pedro era inconstante, arrogante e ambicioso (afinal, negou ao Senhor), mas ele deixou tudo por Jesus. Sim, foi isso que ele fez. Sendo assim, antes de o julgarmos pelas coisas reprováveis que fez, perguntemos-nos o quanto nós temos deixado pelo Senhor.
     Em um dado momento, em que todos voltavam atrás, o Senhor disse aos seus íntimos:
     __ Vocês também não querem ir?
     __ Senhor, para onde iremos da Tua presença? A quem nós iremos? Só Tu tens palavras de vida eterna. E nós cremos e reconhecemos que Tu és o Cristo, o Filho do Deus Vivente - lhe respondeu então Pedro (Jo 6.68-69).

PÕE TEU NOME

     Dos dois discípulos de João que, naquele dia, seguiram a Jesus, conhecemos apenas o nome de um deles: André. Quem era o outro? Não o sabemos.
     Há ali um discípulo anônimo; há ali uma lacuna que talvez esteja esperando por você. Talvez o texto tenha ficado assim para que coloque ali o TEU nome.



[1º Capítulo do livro "No solo Cristo Murió: Los Amigos Tambien Tienen que Morir" - Eliseo Apablaza Fuentealba / traduzido por Daniel Freire